Depois de um início de sábado promissor, com o terceiro lugar no terceiro treino livre, Átila Abreu partiu confiante para a classificação em Campo Grande, mas ficou apenas com o 14º lugar no grid de largada da prova inicial da rodada dupla válida pela sétima etapa da Stock Car.

No Q1, o carro #51 até que continuou com um bom rendimento e, fazendo apenas uma tentativa de volta rápida, o sorocabano ficou com o quarto lugar, passando com tranquilidade para a segunda etapa do treino.

Porém, o bom desempenho não se repetiu no Q2, e, sem conseguir uma volta limpa, o piloto da Shell V-Power conseguiu apenas um lugar na sétima fila. Agora, a esperança de Átila é galgar posições com o bom rendimento que o carro da equipe costuma ter em pistas que exigem dos pneus, como em Campo Grande.

A programação deste domingo começa com a largada da primeira corrida, às 13h (de Brasília). A segunda prova, com grid invertido entre os dez primeiros colocados da corrida inicial, terá início a partir das 14h05, com transmissão do SporTV2.

Décimo colocado na temporada deste ano, com uma vitória (Santa Cruz do Sul), Átila tem dois terceiros lugares, em 2008 e 2009, como melhores resultados no Autódromo Internacional Orlando Moura.

 

O que disse Átila Abreu:
“Meu carro estava muito bem em todos os treinos, tanto com pneu novo como com pneu velho, e passamos com facilidade pelo Q1 sem forçar o carro. Estava um pouco dianteiro, mas normalmente na segunda volta fica mais traseiro e compensa. Não sabemos o que aconteceu, perdemos totalmente o grip, ficou mais dianteiro ainda e perdeu velocidade de contorno. Tirei o pé na primeira volta porque achei que não era assim que viraria, mas foi só piorando. Precisamos entender por que o equilíbrio do carro piorou tanto. É frustrante, mas por outro lado o carro está bom para a corrida e vamos remar para fazer bons pontos e buscar a vitória na segunda corrida. Aqui será uma corrida de sobrevivência, o desgaste vai interferir muito, vamos ver o que fazer para ter o carro bom e crescer na corrida, mas o desgaste vai ser bom para nós”