Átila Abreu encerrou o primeiro dia de trabalho da Stock Car em Londrina otimista com a velocidade apresentada pelo carro #51. Décimo colocado pela manhã e 18º à tarde, o competidor sorocabano ficou satisfeito com a velocidade de sua máquina.

A aprimorar para o quali: apenas a aproximação das freadas. Assim o competidor da equipe Shell V-Power acredita que mais uma vez será concorrente no Q3, a fase final do treino classificatório, que define o autor da pole-position.

Maior vencedor da Stock Car em 2018, Átila ganhou pela última vez na temporada passada justamente em Londrina. A cidade foi palco também de seu primeiro título nacional de kart, obtido em 1999 no kartódromo anexo ao Autódromo Ayrton Senna.

A exemplo de seus companheiros da Shell em Londrina, Átila compete com homenagem ao tricampeão mundial de F1 Niki Lauda nos espelhos retrovisores de seu carro.

Circuito com subidas, descidas e curvas de alta, média e baixa velocidade, Londrina tem 3.055 de extensão e um asfalto que exige muito dos pneus. Os pilotos também precisam tomar cuidado com a borracha pelos diversos trechos em que a tração é importante.

Átila volta à pista no sábado para um treino livre e o quali, que começa às 13h30. Domingo, o piloto da Shell corre as duas provas às 12h e 13h08, respectivamente, com transmissão do SporTV2.

O piloto de Sorocaba também está apto a participar da eleição do Fan Push, um disparo adicional do botão de ultrapassagem a ser utilizado na segunda corrida. A votação continua até o começo da rodada dupla no site oficial da categoria (www.stockcar.com.br).

O que disse Átila Abreu:

“Hoje foi um dia de altos e baixos. O carro começou com um bom equilíbrio e, conforme fomos andando, tentamos achar um pelinho final, um algo a mais. O carro está com uma dificuldade em frear, já começou assim e foi piorando depois. Eu acabo perdendo muito equilíbrio nas freadas e acaba ficando difícil se posicionar para fazer as curvas. Pela forma que começamos o treino acabou ficando abaixo da minha expectativa, estava muito confortável no começo do treino. Precisamos entender o porquê de ter piorado tanto para voltar amanhã e estar competitivo. Resolvendo esse problema de freada, teremos um carro competitivo e brigaremos pelas primeiras posições.”